02/12/2020

A gestão estratégica na advocacia

por Vinícius Secafen Mingati

O cenário jurídico atual tem demandado uma série de adaptações na realidade dos escritórios de advocacia. Além da necessária aceitação da revolução digital pela qual passa o mundo, potencializada pela pandemia do covid-19, a gestão estratégica apresenta-se como grande desafio jurídico da contemporaneidade. Como romper as amarras do estilo arcaico de advogar? Como compreender a importância do tratamento empresarial dos escritórios, bem como do desenvolvimento das equipes a partir de conceitos advindos da administração?

A compreensão de conceitos empresariais de gestão de equipes, cultura organizacional, liderança e endomarketing é essencial para que se crie um cenário propício para a implementação de uma gestão estratégica no mundo das empresas de advocacia.

Esse “caminho das pedras” mostra-se cada vez mais relevante quando se olha para um mercado cada vez mais competitivo, mais exigente, e que não mais admite escritórios estritamente jurídicos. O posicionamento estratégico das bancas passa pelo necessário desenvolvimento de competências que extrapolam o conhecimento das leis, da doutrina e dos posicionamentos dos tribunais. Gerir os escritórios de advocacia como empresa passa a ser condição indispensável para um posicionamento de destaque no mercado jurídico.

A partir deste panorama, necessária se mostra a gestão qualificada dos escritórios, a partir de cuidados especiais com o colaborador, que passa a ocupar a posição de principal stakeholder da organização. A construção de uma cultura organizacional sólida, aliada ao desenvolvimento de lideranças que gerem engajamento do público interno, surgem, nesse contexto, como elementos de extrema relevância para a montagem de equipes altamente engajadas e eficientes.

Assim, apresentaremos, a partir de outros 3 textos, um conjunto de ideias que foram desenvolvidas a partir dos estudos de gestão estratégica de pessoas. Partiremos de uma exposição acerca dos grandes desafios da advocacia contemporânea, com destaque para a importância da gestão de pessoas no desenvolvimento individual do colaborador. Em seguida, abordaremos a cultura organizacional, e como ela é condicionada pela disseminação dos conceitos de visão, valores e missão do escritório junto ao seu público interno. Por fim, o foco estará no desenvolvimento das equipes, e na importância dos trabalhos de liderança e de endomarketing para o alcance desse objetivo.

Compartilhe:

Voltar